quinta-feira, 15 de março de 2018

Não fale sobre sua vida financeira a ninguém

Olá amigos! Como prometido no post anterior, vou explicar de forma mais detalhada o rombo no patrimônio. O que ocorreu foi bem simples na verdade, meu pai bateu o carro e, como não tinha seguro, teve que pagar o conserto do veículo da pessoa. Ele não tem um puto no bolso e, sabendo que eu tenho dinheiro, me pediu “emprestado”. Saquei a quantia que eu tinha no Tesouro Direto por isso. Ainda faltou um pouco, mas ele pegou não sei com quem.
Aqui fica a divagação do post. Eu nunca entendi muito bem o porquê das pessoas não falarem o quanto ganham e isso ser um tabu na sociedade. Pelo menos no meu círculo social, eu não sei quanto meus amigos ganham, apenas que “ganham bem”, “ganham mal”, “tem um bom padrão de vida”, etc, mas não os números em si.
E, do ponto de vista do emprego privado, só é bom para os chefes que os funcionários não conversem sobre isso. Afinal, evita-se discussões e pedidos de aumento. “Porque a Gertrudes ganha X e eu ganho 50% de X pra fazer o mesmo serviço?”, “Porque meu chefe, que não faz nada e só delega, ganha tão melhor que eu que faço tudo?”, “Porque o carinha novo que chegou agora entrou ganhando mais?”, etc. Por isso, imagino que, no fundo no fundo, isso de não se conversar sobre o salário tenha sido de alguma forma implantado na sociedade pelos patrões.
Mas, capitalismo à parte, é somente no auge dos trinta e poucos anos que percebi uma razão mais simples para isso. Não é bom que ninguém saiba o quanto você ganha porque se souberem que vc tem dinheiro guardado elas vão te pedir emprestado. Dificilmente alguém vai te dar dinheiro de graça se perceber que você ganha mal, mas é muito comum que lhe peçam emprestado caso saibam que você ganha bem.
Estou excluindo aqui a questão relativa à inveja e energias negativas, porque não acredito nesse tipo de coisa, mas se você acredita, também é um ponto a se considerar. Pessoas saberem o quanto você ganha, só causa prejuízos “energéticos”: se ganharem mais que você, se sentirão superiores e te tratarão com menos respeito, talvez até fiquem dó a depender das quantias envolvidas; se ganharem mais, reina a inveja.
No meu caso, embora eu seja um falido na vida, até por conta desse blog e da mudança que a filosofia de poupar e investir me causou, comentei com bastante gente sobre isso. A ideia não era me gabar, até porque meu patrimônio é pífio, menor que o de aportes mensais da galera por aqui. A ideia era só conversar sobre o assunto. Sabe quando você assiste um filme ou série e quer conversar sobre isso? Foi isso.
Essa atitude ingênua me fodeu completamente. Obviamente meu pai não vai me pagar nunca. O dinheiro foi a título perdido. Não totalmente perdido, porque ficou a lição. Paguei caro pra aprender uma lição. E a lição é: NÃO FALE SOBRE SUA VIDA FINANCEIRA A NINGUÉM.
Pensando comigo, talvez a única exceção a essa regra seja o cônjuge ou filhos. Não posso opinar porque sou solteiro. No entanto, imagino que desse núcleo familiar seja difícil esconder a informação e, mais importante que isso, não é saudável nem recomendável fazer isso. 
Pessoalmente, já to começando achar que a namorada sabe demais sobre meus investimentos também. Não que represente algum risco, mas ela era uma das pessoas com as quais eu falei empolgado sobre o assunto.
Em resumo, portanto: a atitude de expor sua vida financeira não gera nenhum benefício que justifique você fazer isso; expô-la, por outro lado, acarreta riscos desnecessários.
Se alguém quiser conversar, podemos continuar o assunto nos comentários. Inclusive, se você discorda, peço que comente, para ter outra visão.

11 comentários:

  1. Concordo PZ! Vemos hoje uma dificuldade tremenda das pessoas em administrar o seu próprio capital. Pessoas que ganham o suficiente para conseguir uma bela quantia durante os anos, vivendo uma vida sem dívidas, mas que não o fazem por falta de educação. Assim, dizem que "ganham mal", "não ganham o suficiente", entre outras desculpas que ouvimos por aí.

    Essa má administração financeira nada mais é do que um reflexo dela mesma: uma vida desregrada, sem limites e sem a devida observância das suas consequências. Com isso, não sendo capaz de administrar a si mesmo, também não sabe administrar os seus sentimentos frente a uma realidade que seja melhor que a sua. Aí, surge a inveja, a raiva, a inconformidade. Estes sentimentos são fruto de uma desordem.

    Cabe a nós então, ao menos, poupar as outras pessoas dessa desordem, e, na medida do possível, mostrar-lhes um caminho melhor.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poupar as pessoas da desordem. Gostei. Obrigado pelo insight.

      Excluir
  2. Ninguem deve saber dos investimentos, apenas a familia mais proxima (esposa, pai, mae, filhos, no maximo).

    Ultimamente tenho falado um pouco demais, mas ja vou me policiar pra quando alguem falar do investimento da vez eu soltar apenas aquele Hummmmmmmm.

    Tem gente que vem tirar onda e me falar disto e daquilo, mas felizmente ate hoje nao revelei o patrimonio.

    Nunca fale com ninguem e .em tente ensinar nada.

    É isto ai PZ.

    Voce ajudou seu pai e sera recompensado, acredite.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A honra de ter vc como leitor cado VdC! Bem lembrado, melhor do que não só falar, também é não tentar ensinar nada pra ninguém. Só desgaste... Obrigado, meu caro!

      Excluir
  3. Acredito que nem os filhos precisem saber dos números se possível. Afinal, pode ter sido por isso que os pais dos Von Richtofen foram "acordados"a golpe de madeira na cabeça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem lembrado, mas nesse caso acho que o problema foi de educação como um todo, não? Numa família saudável não acontecerei. Até porque, naquele padrão que eles tinham, seria difícil demais esconder a riqueza.

      Excluir
  4. Concordo, melhor nao comentar. Em boca fechada nao entra mosquito.

    ResponderExcluir
  5. Concordo totalmente, só tem um porém, salário em empresas creio que deveria ser mais aberto, eu por exemplo descobri salário de colegas e por 2 vezes (2 processos), ganhei na justiça equiparação salarial hahahahaha

    ResponderExcluir
  6. Pobre Zen,

    Gostei do seu post e dos argumentos.

    Melhor mesmo ninguém saber, pois além das especulações sobre o que você faz ou não faz com seu dinheiro, há muitas pessoas folgadas que pedem emprestado e nunca pagam.

    Eu já falei sobre educação financeira com alguns colegas, mas sem entrar em muitos detalhes sobre os meus investimentos - exatamente por causa das especulações.

    Conheci seu blog através da finasfera, se quiser conhecer o meu: Simplicidade e Harmonia

    Abraços,

    ResponderExcluir